17 Bailarinos Açorianos Cheios de Talento

17 Bailarinos Açorianos Cheios de Talento

No dia 29 de Abril celebra-se o Dia Mundial da Dança, data foi criada em 1982 pelo Comité Internacional da Dança (CID) da UNESCO, que tem por base o dia de nascimento de Jean-Georges Noverre, que nasceu em 1727, e que foi um dos grandes nomes mundiais da dança. Neste artigo poderás conhecer alguns bailarinos açorianos.

Adenda: Não estão aqui representados TODOS os bailarinos açorianos, apenas alguns dentro do nosso conhecimento na área e das biografias que conseguimos obter, e a lista está por ordem alfabética, não atribuindo maior ou menor grau de ‘importância’ a estes profissionais.

 

17 Bailarinos açorianos cheios de talento

 

Ana Cymbron

Nasceu em Ponta Delgada em Dezembro de 1963 e, começou a frequentar as aulas de Ballet aos 6 anos de idade, no Conservatório Regional de Ponta Delgada, onde também estudou música e piano.

Completou o Curso de Dança do Conservatório Nacional de Lisboa e, de seguida, ingressou no corpo de baile da Companhia Nacional de Bailado do Teatro S. Carlos.

A partir de 1988 dedicou-se ao ensino e, tendo regressado a S. Miguel, foi professora de ballet no Conservatório Regional de Ponta Delgada, onde também exerceu funções no Conselho Executivo.

Em 1992 abriu o “Estúdio de Dança de Ana Cymbron”, em Ponta Delgada, onde lecciona aulas de iniciação à dança e ballet.

Possui o “Teaching Certificate” da “Royal Academy of Dance”, de Londres, sendo professora registada e membro dessa academia internacional.

Frequenta regularmente seminários e cursos de aperfeiçoamento para professores de dança.

Desempenhou, em 2007 e 2009, as funções de “Pratical Teaching Supervisor” do curso de professores da “Royal Academy of Dance” em Portugal, “Certificate in Ballet Teaching Studies”.

 

António Branco

Foto: Daniele Fummo

António Branco é um performer natural de São Miguel, mas radicado em Londres. Ele mudou-se para Londres aos 18 anos para estudar na London Contemporary Dance School. Desde que se formou, ele tem criado o seu próprio trabalho, juntamente com Riccardo T. enquanto trabalhava com outros artistas como Trajal Harrel e Donna Huanca. António Branco tem trabalhado internacionalmente em toda a Europa. Foi um dos membros fundadores do 37.25 – Núcleo de Artes Performativas.

 

Beatriz Oliveira

Directora e professora permanente do Estúdio “SerDança“, na ilha do Faial, Beatriz Oliveira é Licenciada pela Escola Superior de Dança de Lisboa, frequentou, como bolseira da Fundação Medeiros e Almeida, o Curso de Dança Moderna na Escola Amsterdanse Hogeschool voor de kunsten – Amsterdam School of Arts e foi aluna na Fonty’s Dance Academy, em Tilburg, Holanda. Dos 6 aos 18 anos foi certificada pela Royal Academy of Dance. Desde 2004 frequenta várias formações de Ballet, Dança Contemporânea, Improvisação, em Dança, Dança Nia, Body-Mind Centering, Yoga, Técnica Alexander e Feldenkrais, em Espanha, França, Bélgica, Holanda, Alemanha e Inglaterra. Em 2006/2007 leccionou Dança Criativa na Escola de Dança do Conservatório Nacional de Lisboa. Desde 2009 é promotora do Projecto “Açores em Dança”, já na sua V Edição, com o apoio da Direcção Regional da Cultura. Em 2009 foi convidada a participar no “Fórum sobre Regiões e Municípios Criativos”, em Bruxelas, organizado pelo Comité das Regiões, em colaboração com a Direcção Geral para a Educação e Cultura da Comissão Europeia. Desde 2015 integra-se, pontualmente, com o Núcleo de Artes Performativas 37.25, em “Residências Artísticas”, inseridas no Festival Walk&Talk. Em 2018 participa com o seu Estúdio de Ballet e Contemporâneo “SerDança”,  no Concurso Internacional de Dança – Festival Norte Dança, vencendo um 2º prémio. Em Janeiro de 2019 participa no All Dance Portugal.

O projecto mais recente é “GIRO“, um Festival de Dança, organizado em conjunto com Maria João Albuquerque, com o apoio da Direcção Regional da Cultura e da Câmara Municipal da Horta, que vai sendo realizado na ilha do Faial – Açores, ao longo do ano de 2021. Pretende integrar vários estilos de Dança e abordar a sua relação com diversas Artes, como a Música, o Teatro, a Pintura, Desenho, a Fotografia e o Vídeo, incluindo Workshops, Performance e Vídeo-Dança.

 

Carolina Rocha

Carolina Rocha nasceu nos Açores, na ilha de São Miguel, em 1986. Em 1990, iniciou os seus estudos em dança com Milagres Paz, onde teve contacto com a Técnica de Dança Clássica e Moderna. É licenciada em dança pela Escola Superior de Dança (2010), incluindo um semestre em Viena no Konservatorium Wien Privatuniversität. Após a licenciatura integrou o curso de especialização Modem Studio Atelier (2011/2012), da Compagnia Zappalà Danza, em Sicília. Frequentou o primeiro módulo do curso PEPCC do Fórum Dança (2013). Em 2011 formou o coletivo 37.25 Núcleo de Artes Performativas em Ponta Delgada, juntamente com 8 performers açorianos. Com o 37.25 NAP participou em diversos espectáculos e colaborações, nomeadamente com o Festival Walk&Talk e coreógrafos tais como, Victor Hugo Pontes, Marco Ferreira, Daniel Cardoso (Quorum Ballet), Luís Guerra, João dos Santos Martins entre outros. Em 2017 integrou a peça Equanimidade/nimo Inalterável de Vânia Rovisco e com o 37.25 NAP organiza e produz o PARALELO Festival de Dança em Ponta Delgada. Desde 2012, é professora e formadora de Dança Criativa, Contemporânea e Hip-Hop em diversas escolas e instituições, em São Miguel e Lisboa: Colégio Gente de Palmo e Meio; Jardim Escola João de Deus de Ponta Delgada; Cooperativa de Ensino A Colmeia; Escola de Dança Paz; Associação A Pontilha; IAC – Instituto de Apoio à Criança; MOVE – Estúdio de Dança e Pilates Rosa Macedo; Colégio Pedro Arrupe; Coliseu Micaelense; Academia das Expressões; Casa do Povo da Fajã de Baixo; Associação de Juventude da Candelária (Grupo de Dança Juvearte). Em 2016/2017, tirou formação em Pilates Mat 1 & 2 na WELLXProSchool e tirou o curso CET – Técnico Especialista em Exercício Físico. Em paralelo ao seu trabalho de intérprete/bailarina e professora, desenvolve o seu trabalho como criadora independente, destacando o seu vídeo-dança «Degrau em grau» (2015), que foi vencedor de dois prémios: Melhor Filme no Zinetika VideoDance Festival e Melhores Realizadores Portugueses pelo Júri Escolas no Festival InShadow. Ganhou a Bolsa Jovens Criadores do Festival Walk&Talk (2016), com o projecto «Bruto».

 

Catarina Medeiros

Foto: Manuel Carreiro

Catarina Medeiros terminou, em 2014, a licenciatura em dança pela Escola Superior de Dança de Lisboa e tem o Mestrado «Arts in Special and Inclusiva Education», pela London Roehampton University. . Em 2011, funda o 37.25 – Núcleo de Artes Performativas junto com outros 8 bailarinos açorianos tendo criado inúmeros espectáculos, performances, vídeos e um festival de dança. É membro do projecto teatral musical infantil – DU-DÉ-DU. Como formadora, dá aulas de Dança Criativa, Dança Contemporânea e Ballet, em várias instituições. Desde 2015 tem vindo a trabalhar na área da Dança Inclusiva e Social, através da Santa Casa da Misericórdia da Ribeira Grande, criando alguns espectáculos com espaço extremo, ATL, CDIJ e C.A.O. Em 2017, tornou-se professora certificada do método do DanceAbility. De momento, encontra-se a trabalhar como professora de Dança Criativa, Ballet, Dança Contemporânea no Estúdio 13 – Espaço de Indústrias Criativas.

 

Cecília Hudec

Foto: Plataforma Açores

Natural de São Miguel, licenciou-se na Escola Superior de Dança e fez ERASMUS no TEAK, em Helsínquia. Tem vindo a trabalhar com o Ballet Teatro Paz, Companhia de Dança Contemporânea de Sintra, Companhia de Dança Luís Damas, Conflito Estético, Dancenema, Amálgama, Sentidos Ilimitados, Cie Transitscape, o coreografo Gonçalo Lobato, 37.25 Núcleo de Artes Performativas e Companhia Integrada Multidisciplinar- CiM. Leciona dança criativa, dança contemporânea e ballet.

 

João Soares

Linda Liepina Photography

João Soares é natural da Ribeira Grande e, em 2012, iniciou a sua formação em Dança, em Aveiro. Teve a oportunidade de trabalhar com coreógrafos como: Margarida Bettencourt, Romulus Neagu, Pedro Pires e Ana Figueira. Em 2014, integra a residência artística, «Cardume», uma criação de Filipa Francisco, com o 37.25 NAP, em parceria com o Festival Walk&Talk. No final de 2014, fez uma formação na Holanda com o coreografo Sagi Gross, da Companhia «Gross Company» e, ainda, com Shirley Esseboom. Em 2015, integra a «North Dance Company». Em 2016, com o 37.25 NAP, trabalha com Luís Guerra e no mesmo ano apresenta «EM REDE», do 37.25 NAP, «No Tapete da Magia», da Vox Cordis e «Swan Lake», com o Quorum Ballet Company. A partir de 2017, começa a trabalhar em Espanha como bailarino, onde concluiu a «Touring Show» por Maiorca. Acaba de regressar da Suécia onde trabalhou com diferentes coreógrafos num espectáculo de música e dança.

 

Maria João Albuquerque

Workshop de Dança Contemporânea

Foto: Marco Furtado

Licenciada pela Escola Superior de Dança em 2017, concluiu a Pós-Graduação em Dança na Comunidade pela Faculdade de Motricidade Humana em 2018 e actualmente frequenta o Mestrado em Ensino de Dança, na Escola Superior de Dança. Dos 5 aos 20 anos fez Ballet no Conservatório Regional da Horta, tendo concluído o 5.º grau de Dança. Paralelamente fez aulas de Ballet e Dança Contemporânea, de 2012 a 2014, com Beatriz Oliveira, na ilha do Faial. Durante a Licenciatura fez parte do Espectáculo “Companhia Limitada Estação Terminal” (2016) de Madalena Victorino e Pedro Salvador. Em 2018 integrou o espectáculo de Dança inclusiva “Quero Ser…” de Elisabete Monteiro, inserido no Projecto Movimento Danças Aparte da Cercima. Em 2017 leccionou na Escola de Pedro Nunes, em Lisboa, nas modalidades de Ballet e Dança Criativa. Desde 2018 é professora da Associação Cultural de São Roque do Pico nas modalidades de Ballet e Dança Contemporânea. Neste mesmo ano acompanhou um grupo de 13 alunos do Estúdio “SerDança”, de Beatriz Oliveira, da ilha do Faial, no Concurso Internacional de Dança – Festival Norte Dança. Desde 2020 lecciona, igualmente, no Estúdio “SerDança”, de Beatriz Oliveira e no Centro de Formação Artística da Madalena do Pico.

Organiza, conjuntamente com Maria João Albuquerque, o festival de dança “GIRO”.

 

Maria João Gouveia

Nascida em 1984, em Ponta Delgada, inicia a sua formação em dança em 1993, no Estúdio de Dança de Ana Cymbron. Em 2004, ingressa na Escola Superior de Dança de Lisboa onde obtém a licenciatura em Dança, Interpretação/Criação. Em 2007, durante 6 meses, realiza um estágio em direcção de cena no Centro Cultural de Belém. Em Janeiro de 2008, regressa a S. Miguel onde trabalha até Setembro de 2010 como produtora e directora de cena no Teatro Micaelense. Entre 2008 e 2016, foi convidada para reforçar a equipa técnica do Festival “Dias da Música” do CCB, onde participa como directora de cena. Desde 2008, trabalha como coreógrafa, bailarina e professora. Como coreógrafa e bailarina, apresentou vários trabalhos na região e continente, a solo e em conjunto com outros artistas, como por exemplo: «3.1», apresentado no Teatro S. Luiz, em Lisboa, e no Teatro Micaelense; «O pomar das maçãs vermelhas» (Bolseira da DRAC) e «Orgulho Sem Preconceito», com Carolina Rocha ambos no Teatro Micaelense; «Da terra», uma encomenda da Direcção Regional das Comunidades para a Conferência Internacional Metropolis; «Do outro lado espera a sombra», de e com o coreógrafo Pedro Rosa; «Eu, Ele e Eles» para o Bululus, I Festival de Solos. Foi coreógrafa e intérprete do musical «As 7 viagens de Jeremias Garajau», de Zeca Medeiros. A convite da Direcção Regional da Cultura, estreia no Teatro Micaelense o solo «Singular». Em 2015, participa em «Arte: Substantivo feminino», no Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas, onde cria e apresenta o solo «Rouge». Em 2011, juntamente, com 8 outros bailarinos micaelenses, forma o 37.25 – Núcleo de Artes Performativas, única companhia profissional de dança dos Açores. Para além de coreógrafa e intérprete, é também produtora do Núcleo. O 37.25, tem apresentado vários trabalhos quer de autoria própria, quer de outros coreógrafos como Victor Hugo Pontes, Filipa Francisco, Luís Guerra, João dos Santos Martins, e com companhias nacionais como os Quorum Ballet. Em 2017, o 37.25 cria e produz o 1º festival de dança contemporânea nos Açores, «PARALELO – Festival de Dança». Participa como intérprete, produtora e assistente de realização nos vídeo-dança: «Resvés», de Rafa Rijo, «Rouge», de Leo Baier Araújo e «Entre a pele e a parede», de Hugo França. Como professora tem trabalhado em estúdios, como o de Ana Cymbron, onde lecionou e apoiou algumas turmas de diferentes níveis de ballet clássico; foi professora de dança contemporânea e de barra chão, e tem sido responsável pela direção artística e criativa dos últimos espetáculos. Foi também professora de dança contemporânea e de ballet clássico no já extinto «Move – Estúdio de Dança e Pilates Rosa Macedo». Leccionou dança criativa no ano de 2011-12 no colégio «Gente de palmo e meio» e desde 2013, na Cooperativa de Ensino a Colmeia. Foi responsável pela disciplina de «Expressão Corporal do Curso de Animadores Socioculturais» na EPROSEC, de 2009 a 2012, e desde 2015; foi professora de Movimento na Academia Sénior da Universidade dos Açores. Desde 2009, lecciona Barra Chão a grande parte dos atletas do Ginásio Corpore bem como Dança Contemporânea a adultos. Em 2017, fez o curso da Federação Portuguesa de Ginástica e torna-se Juiz Nacional de Grau 4 de Ginástica Aeróbica. Produz e cria com as suas alunas para festivais e espectáculos de final de ano como «Cinderela», o «Quebra-Nozes», «O feiticeiro de Oz», «Ser Pessoa», «O individual do coletivo» e «Suite».

 

Milagres Paz

Foto: Arco 8 Azores

É Directora Artística e Coreógrafa da Companhia de Dança Contemporânea “Ballet Teatro Paz“, de cujo repertório constam mais de cem bailados, e Diretora Técnica e Professora da “Escola de Dança Paz”. Tem o Curso Superior de dança pelo Boston Conservatory, Boston, EUA, tendo também formação em Drama, Teatro, Voz, Shakespeare e música. Ganhou os 1ºs Prémios Ruth Railton em piano, a Bolsa de Estudo “Valerie Sutton”, o prémio “Who’s who among students in American Universities and Colleges”, o troféu “cultura” da CMPD, o troféu imprensa “Os Dez Mais”, na categoria de Artista, o prémio de imprensa “Arte e Intervenção”, o prémio “Artes do Palco”, atribuído pelo Festival Açores Música. Durante 10 anos, dançou como solista e bailarina principal em companhias profissionais de dança nos E.U.A. A convite de várias instituições portuguesas e estrangeiras, apresentou coreografias no arquipélago dos Açores e Madeira, Portugal continental, E.U.A. e Brasil. Foi professora e coreógrafa convidada de Judy Williams nos E.U.A. e por várias associações de teatro para dirigir workshops de “Movimento e Teatro”, entre outros. Tem contribuído para instituições de Caridade, Educação e Direitos Humanos. É membro do Conselho Internacional de Dança-Unesco, com sede em Paris. Em 2014, estreou o bailado “As árvores morrem de pé”, apresentado também no Madeira Film Festival, em 2015. Em 2015 foi convidada a integrar o Conselho Regional de Cultura e estreou os bailados “Lavoisier” e “Time”. Em 2016 estreia o bailado “Açores, uma jornada de sonho” e em 2017 estreia o bailado “Não sou deste mundo” em homenagem a Natália Correia. E em 2017, a sua companhia estreou o filme Açores, Uma Jornada de Sonho, que mostra a natureza através do bailado a beleza das nove ilhas do arquipélago, focando também os seus usos e costumes.

 

Pedro Bettencourt

Foto: Carlos Jorge

Nasceu em 1989 na Ilha do Pico. Em 2008 muda-se para Aveiro para iniciar a sua formação artística frequentando o Curso Profissional de Artes do Espectáculo no Conservatório de Música da JOBRA. Em 2014 licenciou-se na Escola Superior de Dança. Profissionalmente trabalhou com Marta Silva, Féliz Lozano, Paula Pinto (Sentidos Ilimitados), Lá Fura Del Baús, Quorum Ballet, Amalgama Companhia de Dança. É fundador, criador e intérprete do PUF Colectivo.

 

Pedro Rosa

Nasceu na cidade da Horta, em 1983. Estudou dança no Balleteatro e na Arnhem School of Dance, na Holanda. Como coreógrafo criou “88888”, “New Bodies for Invisible People”, “Do outro lado espera a sombra”, “A Construção”, “Hyper Nova Utopic Empire”, “Play Game” e “Play Game – no Labirinto do Teatro”. Em 2009 recebeu o prémio LABJOVEM na categoria Dança/ Performance. Como intérprete destaca o trabalho com Né Barros, Victor Hugo Pontes, David Brandstaeter e Malgven Gerbes, Gregory Maqoma, Katharina Horn, Joclécio Azevedo, Eva Küpfer e Simone Truong. Desde o seu regresso ao Faial, em 2015, participou em diversas produções do Teatro de Giz e de Beatriz Oliveira.

 

Rosa Macedo

Rosa Macedo nasceu em Ponta Delgada, em 1978. Começou os seus estudos de ballet com o Professor Lawrence Haider e, no período 1988/96, e continuou com a Professora Ana Cymbron, no Conservatório Regional de Ponta Delgada e no Estúdio de Dança. Em 1996 prossegue os estudos de ballet em Londres, na Royal Academy of Dance e é na Inglaterra que obtém o Student Teaching Certificate. Já em Ponta Delgada lecciona Ballet no Colégio de São Francisco Xavier, no Estúdio de Dança de Ana Cymbron, no ginásio “Templo” e na Ribeira Grande, na Academia de Música. A Escola de Dança de Rosa Macedo iniciou a sua actividade em 1998, com sede própria em Ponta Delgada.

 

Rúben Ferreira

Natural de São Miguel, Rúben Ferreira trabalha como actor desde os 15 anos de idade. Já desenvolveu inúmeros projectos teatrais, performativos, musicais e de dança. Participou em vários festivais de teatro regionais e nacionais. Realizou várias formações com artistas emblemáticos de Portugal, como Luís Varela, professor das Belas-Artes e a coreógrafa e bailarina Olga Roriz. Foi vencedor do LabJovem na categoria de artes cénicas e frequenta actualmente o Mestrado em Artes Cénicas na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, após ter concluído a licenciatura em Estudos Artísticos. Trabalhou com a Boutique de Cultura até ao ano de 2020.

 

Sara Machado

Foto: Rui Soares

Formada em Dança pela ESD e em Pilates pela Tao Pilates. Frequentou o Curso de Artes Performativas do Sou Movimento e Arte e fundou o 37.25 – Núcleo de Artes Performativas. Integrou o programa Imagine “imagine 2020 art and climate change” no Teatro Maria Matos e desde então trabalha como intérprete, coreógrafa, professora e produtora. Trabalhou com coreógrafos como Francisco Camacho, Rui Lopes Graça, Victor Hugo Pontes, Marco da Silva Ferreira, Filipa Francisco e Luís Guerra.

 

Tiago Correia

Foto: Inês Ribeiro

Nasceu a 23 de Maio de 1987, em Ponta Delgada, São Miguel – Açores, e inicia os estudos em Dança, em 2008 na Escola de Dança Paz, em Ponta Delgada. Entre 2008 e 2011 participa nos espectáculos da Companhia Ballet Teatro Paz.  Em Setembro de 2011 inicia os estudos de Licenciatura em Dança na Escola Superior de Dança. Juntamente com oito bailarinos cria o 37.25 – Núcleo de Artes Performativas e projeto coreográfico “Resvés” de 37.25 NAP no Teatro Micaelense. Em Outubro de 2012 integrou no evento pelo colectivo KARNAT, espectáculo-manifesto, C.A.M. Interprete, “Eternuridade” de Amélia Bentes na BoxNova  CCB em Outubro de 2013, em 2014, Teatro Académico Gil Vicente, Teatro Municipal de Almada, Teatro de Vila Real e Teatro Municipal da Guarda. Em Abril de 2014 representa a ESD na 1.ª mostra de dança do ballet crioulo de Cabo Verde, na Assembleia Nacional de Cabo verde, cidade de Praia. Em Maio, no Teatro Meridional Compota “Verdade”. Convidado pela ESD enquanto formando e intérprete participou no Workshop de criação Multimédia “Metamorfose II”, Culturgest. Festival de Arte Publica Walk&Talk 2014, com o colectivo 37.25 NAP apresenta “Cardume”, de Filipa Francisco. Como bailarino convidado, participa na peça coreográfica “As Árvores Morrem de pé” de Milagres Paz, no Teatro Micaelense. Em Dezembro, no Teatro Maria de Matos leva a cena o projecto coreográfico “Cúmplice Medo do Encontro” de cocriação com a Plural (Grupo de Dança inclusiva da Fundação Liga), parceria com a ESD e a Câmara Municipal de Lisboa. Intérprete do projecto coreográfico de Clara Marchana “Narrativa Interior” em Dezembro de 2014 na Quinta da Regaleira, até Junho de 2015. De Outubro de  2015 a Fevereiro de 2016 faz parte da exposição “Um Horizonte de proximidades” de André Guedes, uma topologia a partir da colecção António Cachola, no Arquipélago Centro de Artes Contemporâneas. Em Janeiro de 2016 participa em “Verum” de Catarina Medeiros, um projecto coreográfico se dança inclusiva da Santa Casa da Misericórdia, Ribeira Grande. Inicia o programa de “Estagiar L” na Escola de dança Paz exercendo ensino, produção, interpretação e assistência de criação. Outros projectos em que participou foram “Lago dos Cisnes”, com coreografia de Daniel Cardoso da Quórum Ballet + 37.25 NAP no Teatro Micaelense; “E caíram nas mãos gotas daquela Alma” de 37.25 NAP, a primeira criação de Tiago Correia, como coreógrafo que apresentou no Teatro Faialense, no Centro Cultural da ilha da Graciosa e  no Teatro Ribeiragrandense.  Participou também no filme “Açores uma jornada de sonho” de Milagres Paz como intérprete e assistente de coreografia, em 2017.

 

Vanessa Canto

Terceirense que visualiza o mundo da dança e movimento como ferramenta potenciadora de bem-estar e criatividade. Frequentou o Programa de Dança na Peridance International Dance School em Nova Iorque que lhe permitiu ter formação especializada em danças urbanas e em estilos extracurriculares como dança contemporânea, moderna, dança africana e sapateado. É hoje, bailarina, professora e fundadora da Moot – The Movement Lab – uma plataforma de treino de dança para dançarinos/bailarinos.

 

Já conhecias estes bailarinos e o seu trabalho? Se sim, quais? E que outros bailarinos açorianos acrescentarias a esta lista? Comenta aqui!

 

Para mais artigos Top Azores, clica aqui!

Partilhe