Desassossego Literário: “Conversa com Arquitectos”

Desassossego Literário: “Conversa com Arquitectos”

Quem disse que arquitecto não tem opinião?

 

 

Passa despercebido. À primeira vista parece um livro técnico, demasiado técnico, mas quando o saboreamos (quem disse que livros e arquitectura não se saboreiam?), vemos que a forma como foi estruturado, o livro tem muito mais interesse do que se imagina.

E, sendo um livro sobre arquitectura, das entrevistas realizadas a 30 arquitectos, mesmo assim tem um formato normal de livro, podendo ser transportado facilmente para qualquer lado para onde vão os outros livros connosco. Ou seja, tem um formato de livro normal.

Em primeiro lugar, sobre Conversas com Arquitectos, assim se chama o livro, e o seu autor, António Jorge Tavares, muito haveria para dizer, não fosse a sua biografia extensa e ecléctica.  É um documento testemunhal que entrevista 30 arquitectos, regionais e nacionais ao longo de mais de duzentas páginas. Só para citar alguns: Jorge Kol de Carvalho, Bernardo Oliveira, Siza Vieira, Souto de Moura, Francisco Gomes de Menezes, Manuel Salgado, Francisco Keil de Amaral, entre muitos outros.

Todas as entrevistas terminam com uma fotografia e uma biografia de cada entrevistado, e, se ainda julga que é não é um livro para leigos, desengane-se, pois o que lá vai encontrar é um conjunto de ideias e reflexões de índole social, política, estética, ainda que forjadas nos esquissos dos ateliers. Por vezes, o que encontramos é opinião pura sobre uma determinada realidade quotidiana, porque quem disse que nós leitores não admiramos opinião engajada à arquitectura? E quem disse que o arquitecto não tem opinião?

A segunda coisa a reter da edição deste livro é saber que a ousadia de publicá-lo é coisa rara, já que o conteúdo, condenado certamente ao fracasso, resiste nos escaparates de algumas livrarias. Contudo, o resultado da leitura destas “conversas” pode ser uma inusitada surpresa. Pelo menos, foi-o para mim. É, sem sobra de dúvida, um documento ímpar da nossa editora e poderá ser uma excelente alternativa ao presente clássico deste Natal.

 

Luís Soares Almeida
Diretor Editorial da Letras Lavadas

Partilhe

Fechar Menu
shares