A carregar Eventos

« Todos os Eventos

  • Este evento já decorreu.

Censo de Milhafres 2022

Abril 2 @ 8:00 - Abril 3 @ 19:00

A Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) promove a 2 e 3 de Abril o Censo de Milhafres, cujas estimativas de 2021 apontaram para a existência de “2.995 destas aves no arquipélago”.

A iniciativa pretende avaliar o estado da população da única ave de rapina diurna que nidifica no arquipélago.

O censo, que tem vindo a ser realizado todos os anos desde 2006, envolve a mobilização de dezenas de voluntários, a quem se pede a recolha de dados sobre os avistamentos destas aves, conhecidas nos Açores como milhafres ou queimados, segundo a SPEA.

Em comunicado, a SPEA lembra que a contagem desta ave, “a mais emblemática nos Açores”, será realizada “em percursos pré-definidos, de carro, a pé ou de bicicleta”, o que permite cumprir “as indicações de distanciamento para evitar a transmissão do covid-19”.

“Esta é uma iniciativa de ciência cidadã, em que os açorianos têm oportunidade de participar num projecto científico que procura conhecer melhor as populações de milhafres dos Açores”, lê-se na nota enviada às redacções.

A coordenadora do censo nos Açores e técnica de Conservação da SPEA, Alba Villarroya, lembra que, para participar no censo, “não é necessário ter conhecimentos científicos, pois esta ave de rapina é fácil de identificar”.

A SPEA apela, por isso, a participação de voluntários nesta acção deste ano, destacando que têm sido “centenas de açorianos” que se têm juntado à contagem ao longo dos anos.

A participação implica uma inscrição através do email acores@spea.pt e pré-definir a sua rota.

Segundo a SPEA, o milhafre (Buteo buteo rothschildi), é a única espécie de rapina diurna que reside e nidifica em todas as ilhas do arquipélago dos Açores, com excepção das Flores e do Corvo.

É facilmente identificado à distância pelo seu vôo de batimentos lentos, geralmente planando em círculos, mas também com vôos curtos e picados para caçar.

É frequentemente observado em poisos ao longo das estradas, o que torna a sua identificação mais fácil quando encontrada nestes locais.

“A espécie pode ser observada um pouco por todo o lado, em zonas florestais, áreas costeiras, pastagens e até mesmo em zonas urbanas, alimentando-se maioritariamente de roedores, pequenas aves, coelhos, e até dos cadáveres destes animais, o que torna o seu papel na cadeia trófica muito importante, por evitar as doenças que podem surgir da putrefacção dos cadáveres”, explica a SPEA.

O “envenenamento e a electrocussão em linhas eléctricas” são as principais ameaças que afectam os milhafres, refere a SPEA.

“Ignorar as ameaças a esta espécie é prejudicar um dos símbolos da Região e os ecossistemas dos Açores”, alerta ainda.

A SPEA sublinha que estas “são aves magníficas, com um voo de uma beleza singular e que sabem tirar proveito das correntes térmicas para planar”.

A 16 de Março, a SPEA promove um ‘webinar’ gratuito sobre esta e outras iniciativas de ciência cidadã na Madeira e nos Açores.

 

Foto: Carlos Ribeiro

Partilhe

Detalhes

Início:
Abril 2 @ 8:00
Fim:
Abril 3 @ 19:00
Categorias de Evento:
, , , , , , ,
Etiquetas de Evento:
, , , ,

Local

Em todas as ilhas dos Açores